Letrado ou Letrista?

Letrado ou Letrista?
Letrado ou Letrista?... Na verdade eu gostaria de ser os dois, mas como não sou nem um nem o outro, sou apenas uma Professora de Educação Infantil e uma poetisa, criei este blogeer para lhe apresentar o significado de alguns itens da nossa literatura. Conversar com você de forma prazerosa e até mesmo lúdica; aguçar a sua imaginação e, quem sabe extrair de você um sorriso e conquistar a sua amizade!...

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

Meu Primeiro Carnaval!...




Lembro-me como se fosse hoje, mamãe havia me deixado na casa de uma senhora amiga dela, essa senhora já tinha aproximadamente seus setenta anos e, como não havia nem uma criança na casa, pediu que minha mãe deixasse-me com ela por uns dias, assim quando suas netas, já moças e suas filhas saíssem, ela não ficaria só. Para minha mãe foi muito bom, assim ela poderia trabalhar despreocupada.

A senhora, aos domingos, sempre se levantava cedinho, arrumava-se e depois me arrumava e íamos pra igreja assistir a missa. Eu tinha aproximadamente oito anos, quase nove!... Lembro-me perfeitamente por que logo após a morte do meu pai, mudamos pra Teresina, a capital do Piauí e, isso foi pouco tempo depois.

Minha mãe havia me dado de presente um chapéu, um lindo chapéu carnavalesco, o que tinha me deixado radiante de felicidade, apesar de não ter a menor idéia de como era um desfile de carnaval. Só sabia que no dia eu usaria aquele lindo chapéu!... A senhora dona da casa o guardou dentro de um enorme baú de madeira todo cravejado de pregos no modelo percevejo, garantindo que no momento certo me entregaria.

No dia seguinte, a senhora provavelmente estivesse na cozinha, não me lembra, o restante havia saído. De repente ouvi um batuque na rua: música; fogos e gritos. Saí correndo pra ver... Que lido!... Era um bloco de carnaval de rua. Entrei correndo em casa, fui até o baú e peguei o meu chapéu e, acompanhei o bloco... Enquanto eu o seguia completamente empolgada e feliz, vi que algumas pessoas estavam se protegendo segurando na mão seus chapéus, lenços e outros adereços, pois outras pessoas se aproximavam correndo, arrancava os de suas cabeças e os levava embora... Tive medo!... Tirei o meu chapéu da cabeça e o segurei na mão e, continuei... Veio, porém alguém por traz avançou em minha mão e correu levando o meu chapéu; era alguém bem maior do que eu pude ver, não tive a menor chance de recuperá-lo. Restou-me chorar!...

De volta pra casa pensei em várias formas de obter o meu chapéu de volts; do meu jeito criança, mas pensei...

Lembrei-me de que o papai falava que quando cremos muito em algo e o desejamos, encontramos forças para conquistá-lo; lembrei-me de que um dia enquanto contava estórias de pescador ele havia me prometido que iria pegar uma sereia e dar-me de presente. E do meu jeito criança, acreditei que se ele podia dar-me uma serei de presente, também poderia trazer de volta o meu chapéu, muito embora já estivesse morto. Fechei-me no banheiro a chorar e a pedir que ele me trouxesse de volta o meu chape, já que não havia me dado a minha sereia que me desse o meu chapéu!

Nunca falei a ninguém o que aconteceu com o chapéu, ninguém também nunca me perguntou. E infelizmente não o tive de volta como acreditei tê-lo.

Aos doze anos, mais uma vez fui atraída pela beleza e alegoria da avenida, dessa vez uma linda escola de samba; não lembro o nome, afinal já faz tempo!... E lá estava eu deslumbrada com tudo aquilo quando vejo passando um homem ainda meio jovem e, na cabeça um chapéu igualzinho ao meu; não pensei duas vezes, tentei recuperá-lo. Pulei na cabeça do homem, peguei o chapéu e sai correndo, mas como tinha os cabelos longos, enquanto corria as minhas tranças voavam, então fui pega por elas e tive que devolver o chapéu.

Alguns anos se passaram, deixei de ser menina, a inocência também ficou pra traz, mas a sereia prometida por meu pai ainda me é uma linda lembrança, como o meu chapéu! E neste ano, agora uma mulher refeita, mais uma vez fui atraída pela alegoria. E desta vez, pela primeira vez de verdade na avenida, vivendo o meu primeiro carnaval. De destaque em um carro alegórico, vi a minha escola ser a primeira colocada... Não apenas recuperei o meu chapéu, mas ao ver tantos fleches tantas câmeras em minha direção, lembrei que papai havia me falado que sereia era uma mulher; uma linda mulher. Percebi então que a minha sereia estava ali naquele carro!...

7 comentários:

  1. Linda a sua história. Veja que nunca é tarde para ser feliz. Parabéns pelo sucesso e parabéns para toda a Escola de Samba.
    Seu amigo do RL Gilson de Petrópolis/RJ

    ResponderExcluir
  2. Belíssima história minha amiga, com um fundo de tristeza, é claro, dessas que a vida nos prega, mas com um belo final, como deveriam ter todas as coisas que acontecem em nossas vidas!

    Abraços renovados!

    ResponderExcluir
  3. Promessas cumpridas. Pai é pai!

    ResponderExcluir
  4. Respostas
    1. Obrigada por sua visita e por seu carinho meu amigo. Tudo de bom pra você, hoje e sempre!

      Excluir